terça-feira, 10 de novembro de 2009

ÀNKÉMI LÉTÍ


Uso nos terreiros:


Folha usada para atrair prosperidade, utilizada na iniciação, no àgbo e no ritual de “abrir a fala” do orixá. É uma folha feminina, ligada ao compartimento Terra e gún.

Nos terreiros, esta folha é mais conhecida pelos nomes akonijé ou jokonijé. Segundo Barros (1993:109) seu nome jokonijé significa “senta sossegado”, todavia, alguns informantes traduzem-no como “sentada ela come”, o que é reforçado pelo fato, desta espécie, em alguns terreiros, ser colocada sob os assentamentos por ocasião das oferendas e sacrifícios de animais.


Uso em Ifá:


Verger apenas cita como mil-homens, jarrinha e papo-de-peru, a espécie aristolochia ringens Vahl., com o nome Yorubá Ànkémi létí (1995:635), mas não esclarece se o nome latino trata-se de sinonímia da espécie utilizada no Brasil.


Nome popular: Jarrinha, cipó-mil-homens, papo-de-peru

Nome latino: Aristolochia cymbifera Mart., Aristolochiaceae.

AMÚNIMÚYÉ




Uso nos terreiros:


Tem por finalidade tirar a consciência do iniciado quando em transe. Pode ser utilizada para todos os orixás, no agbo ou ingerida durante o processo de iniciação.

Pertence ao compartimento Ar. É uma folha masculina e eró.


Uso em Ifá:


Na África a espécie utilizada é o Senecio abyssinicus Sch. Bip., Compositae (Verger 1995:718), que foi substituida no Brasil pela espécie Centratherum punctatum Cass., Asteraceae (Compositae), originária da América, ambas conhecidas como balainho-de-velho.

Do odu Òfún ìwòrì em “trabalho para ter boa caça” (Verger 1995:335)

Do odu Èjìogbè em “trabalho para ser obedecido” (Verger 1995:355)

Do Odu Ìrù ekùn como “proteção para prender um louco” (Verger 1995:441)

Nomes populares: Balainho-de-velho, perpétua-roxa, perpétua-do-mato

Nome latino: Centratherum punctatum Cass., Asteraceae (Compositae),