segunda-feira, 22 de outubro de 2012


ELÁ




Uso nos terreiros: É desconhecido por tratar-se de planta utilizada apenas na Africa.

Uso em Ifá: Trata-se de uma orquídea  associada a Îlà, òrìñà da sabedoria e da razão ligado a Örunmilá.
Do odù Ûyîkú òdí  em “receita para tratar palpitações”  (Verger 1955:164-165).
Do odù Ogbè ûñï em “receita para tratar surdez” (Verger 1955:210-211)
Do odù Ûkànràn òfún em “receita para tratar dor de ouvido” (Verger 1955:210-211)
Do odù Ìwòrì òfún em “receita para tratar mudez” (Verger 1955:218-219)
Do odù Èjìogbè em “trabalho para manter-se jovem” (Verger 1955:358-359)
Do odù  Ûyîkú Ìwòrì em “trabalho para ter vida longa” (Verger 1955:366-367)

Outro nome yorùbá: Ömö òyígí  (Verger 1995:642)
Nomes populares: Desconhecido (Orquídea)
Nome latino: Calyptrochilum christyanum (Rchb. f. ) Summerh., Orchidaceae

EJÌNRÌN WEWE
Uso nos terreiros:
Planta associada a Öbaluaiyé e Nàná, seu uso, nos terreiros, está ligado à Ikú (a morte), por este motivo se constitui em interdito aos demais orixás, bens como às pessoas iniciadas. É amplamente utilizada no culto a Égún, por isso é conhecida nos terreiros com o nome ewé ikú .

Uso em Ifá:
Utilizada em alguns trabalhos para Orúnmìlà.
Do odu Owonrín ogbè em “receita para tratar dor nos flancos” (Verger 1995:113)

Nomes populares: Melão-de-são-caetano, erva-de-lavadeira, fruto-de-cobra.
Nome latino: Momordica charantia L., Cucurbitaceae

sexta-feira, 5 de outubro de 2012


OGÊDÊ

Na preparação do àkàsà, àbará e ëkuru, comidas votivas dos orixas, utiliza-se folhas de bananeira (ewé eký), para envolver as massas destes alimentos que são cozidos em vapor. Porém, a folha mais indicada é a da banana-prata, por ser a mais tenra.
A banana-da-terra (ògèdè agbagba) frita no azeite de dendê é oferecida a Ibeijí e a Oñùmàrè.
Tanto a banana-prata (Ògèdè odo), quanto a banana-ouro (Ògèdè omidi), são oferecidas para Ûñun e Logun Ëdï,
A inflorescência, conhecida popularmente como “coração” é empregada em “trabalhos para resolver problemas amorosos ou de saúde”, sendo associada a Ûñun e em “trabalho para àbikú”.
A banana-d'água (ûgîdî ûmìnì) constitui-se em ëîwû (interdito), para Òñàlá e Öya 
Ògèdè agbagba (banana-da-terra) é ëëwö de Aganju.
Nos “batuques” do Sul, a banana-são-tomé é utilizada em algumas oferendas feitas a Ñàngó.
Na santeria cubana, atribui-se a bananeira a Ñàngó, todavia, na casa das minas no maranhão ela pertence a Ìrókò.
Usamos a banana para ter uma vida tranquila e confortável pois, como não há dificuldade para a banana amadurecer a pessoa não terá dificuldade na vida. Come-se banana sem esforço, assim será a vida, sem esforço.
Ògèdè agbagba (banana-da-terra) é usada para inverter uma situação de risco de morte. Para quem não tem condição de sacrificar um animal, usa-se a banana-da-terra para este fim.
As folhas são utilizadas para enrolar àkàsà, àbará e ëkuru, comidas votivas do oriña todavia, não devemos deixar a folha no ëbö porque é ëëwö.
É sob as bananeiras que os espíritos gostam de ficar e é lá que colocamos oferendas para as Ìyámí e Egbe Orun.
È com o tronco da bananeira que fazemos ëbö de troca de cabeças pois, o tronco da bananeira é comparado ao corpo humano. Carta-se o tronco do mesmo tamanho da pessoa e veste ele com a roupa do suplicante, faz ëbö e depois enterra o tronco que vai no lugar da pessoa.
“Iran ògèdè kin ya agan”
- A geração da bananeira não fica estéril, assim, fulano não ficará estéril também.
“Iran ògèdè kin sunkun ati de”
– A geração da bananeiro não tem dificuldade para amadurecer, assim, fulano não terá dificuldade para ter conforto.
“Iku oniku ni ògèdè agbagba”
- Diz que a banana da terra é usada para que a pessoa não morra.
Usa-se o purê da banana da terra para saúde e para manter segredos.
Usa-se o purê da banana da terra com sal e coloca no Ifá para prosperidade, conforto, vida mansa e dinheiro.
Usa-se Banana da terra amassada com dendê e sal e oferece ao Eñù da porta para ele espantar ladrão e afastar pessoas inconvenientes.
Ògèdè tem um grande fundamento do inicio ao fim.
Do odu Òtùrá òdí  em “receita para boa saúde” (Verger 1995:117)
Do odu Ìwòrì ògúndá em “receita para tratar abscessos no pênis ou na vagina” (Verger 1995:133)
Do odu Ûwýnrín méjì em “receita para tratar dor de cabeça” (Verger 1995:215) e “receita de calmante” (Verger 1995:247)
Do odu Ogbè ûyïkú em “receita para que a criança conserve boa saúde” (Verger 1995:233)
Do odu Òdí ìrosùn em “receita para tratar quem dorme demais” (Verger 1995:257)
Do odu Òfún méjì em “trabalha para estabelecer um mercado público” (Verger 1995:327)
Do odu Ìrosùn òtúrá em “trabalho para atenuar o sofrimento de alguém” (Verger 1995:351)
Do odu Ûñï òtúrá em “trabalho para juntar novamente partes cortadas de um corpo” (Verger 1995:385)
Do odu Ìrëtî méjì em “proteção contra o mal” (Verger 1995:451)
Do odu Èjìogbè em “receita para virilidade” (Verger 1995:123), “receita para tratar cicatriz na barriga” (Verger 1995:149) e “trabalho para ter a pele sempre boa” (Verger 1995:365)
Do odu Ogbè òtúrá em “receita para tratar gonorréia” (Verger 1995:135)
Do odu Ìwòrì ûsá em “receita para acabar com a tosse” (Verger 1995:165)
Do odu Ogbè ìrëtî em “receita para tratar varíola” (Verger 1995:181)
Do odu Ûyîkú òtúrúpûn em “receita para tratar picada de cobra” (Verger 1995:245)
Do odu Ìrëtî ìwòrì em “trabalho para proteção contra Obaluaiê” (Verger 1995:301)
A banana-ouro é um dos alimentos predileto de Òrúnmìlá.

Conhecida, também, pelos nomes yorubá: ûgîdî, ûgîdî abo, ûgîdî lóbóyû, àpántà, ûgîdî dudu, ûgîdî wëërë, ûgîdî ûmìnì e àgbagbà. (Verger 1995:699)
Nome popular: Bananeira, banana-da-terra, banana-ouro, banana-prata, banana-d’água, banana-são-tomé.
Nome latino: Musa sapientum L., Musaceae.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Atenção amigos vamos retomar nosso blog de plantas liturgica? 
Para começar alguem sabe a classificação latina desta folha?
Planta conhecida como cipò-cágado que substitui o "Ogbo" africano.




sábado, 23 de outubro de 2010

ÈGÙNMÒ

Uso nos terreiros:

Usada na iniciação dos filhos de Obaluaiyé e Nàná e, na consagração de seus objetos rituais e sacudimentos.

Planta consagrada a Obaluaiyé, associada ao elemento Terra. Propriedade gún e característica masculina.

Em Cuba, é conhecida pelos nomes lucumi atoré e efodá e atribuida a Ògún e Yemanjá (Cabrera 1992:562).

Uso em Ifá:

Do odu Òfún méjì em “trabalho para estabelecer um mercado público” (Verger 1995:327). Cujo öfö da folha é:

òdú L’ó ní k’éni rere ó wá duro tìmí

òdú diz que as pessoas boas devem vir e ficar ao meu lado

Outros nomes yorùbá: ègùnmò, ègùnmò, agunmò gàrà e òdú (Verger 1995:721)

Nomes populares: Erva-moura, maria-preta, pimenta-de-galinha, erva-mocó.

Nome latino: Solanum americanum Mill. Vel aff., Solanaceae

ÈGÉLE


Uso nos terreiros:

Conhecida popularmente como santa-luzia-da-terra esta planta é atribuída a Oxum e utilizada em banhos purificatórios e no àgbo.

Tem a finalidade de atrair prosperidade.

As folhas são considerada gún .

Uso em Ifá:

Do odu Owónrín òbàrà em “proteção para evitar que se façam trabalhos agressivos” (Verger 1995:437)

Esta planta foi classificada por Verger (1995:553) como Euphorbia Hirta L., todavia, trata-se de sinonímia.

Nomes populares: Corredeira, erva-de-santa-luzia, burra-leiteira.

Nome latino: Chamaesyce hirta (L.) Millsp., Euphorbiaceae

Origem: América tropical

domingo, 15 de agosto de 2010

ÈGÉ



Uso nos terreiros:


Com a farinha de mandioca, prepara-se o padé (diversos tipos de farofas) que é indispensável nas oferendas aos Orishá.

O ebá, pirão de farinha de mandioca, serve para forrar a gamela onde é colocado o amalá oferecido a Shàngó.

As bolas de farinha feitas com dendê ou água, são com freqüência utilizadas em ebó para Eshu

As bolas de farinha com água e, com um pequeno pedaço de carvão vegetal encima, são oferecidas para Égún.

Com a raiz se faz trablho para Òshálá acalmar alguém.

“A raiz da mandioca que possui uma forma alongada está associada a Eshù, que é uma entidade fálica” (Barros & Napoleão 1999:124), e assim como as folhas, são masculinas. É um vegetal gún associado ao elemento Fogo.


Uso em Ifá:


Do odu Òdí méjì em “receita para tratar diarréia” (Verger 1995:187)

Do odu Ìrètè olota (Ìrètè Òwònrín) em trabalho para conseguir dinheiro rapidamente (Verger 1967:38) temos o ofó:


Má mu mi ni jèdíjèdí

Ègé

Má mu mi ni jèdíjèdí


Não me obstrua

Ègé

Não me obstrua


Outros nomes yorubá: ègé funfun, ègé òkè, gbàgùúdá, gbàjadà, pákí e lánàsé. (Verger 1995:693)

Nomes populares: Mandioca, aipim, macaxeira

Nome latino: Manihot esculenta Crantz., Euphorbiaceae.